Moradores de Contendas do Sincorá na Chapada Diamantina revelam história de uma senzala abandonada no município - Comando Brasil

Moradores de Contendas do Sincorá na Chapada Diamantina revelam história de uma senzala abandonada no município

Atualmente o local encontra-se em situação crítica devido ao seu tempo de existência e a falta de restauração.

Informações Jornal da Chapada 
As senzalas tinham poucos recursos e conforto (Foto: Divulgação)
As senzalas tinham poucos recursos e conforto (Foto: Divulgação)
Um casarão antigo, no município de Contendas do Sincorá, entre os povoados de Palmeiras e de Caraibunas, na Chapada Diamantina, foi encontrado por um morador da região que identificou, juntamente com outros habitantes, a possibilidade do local se tratar de uma senzala. De acordo com o rapaz, a estrutura fica localizada na fazenda ‘São João’ e possui, em média, 180 anos de história.

No entanto, atualmente, o local se encontra em situação crítica devido ao seu tempo de existência e a falta de restauração. A escravidão foi uma mancha histórica na sociedade, na qual pessoas foram torturadas, exploradas e mortas. A senzala era uma forma de moradia para populações escravizadas – que foram trazidas à força do continente africano para o Brasil por meio do sistema escravista dos portugueses.

Habitantes de Contendas do Sincorá acreditam na possibilidade do local se tratar de uma senzala (Foto: Divulgação)
Habitantes de Contendas do Sincorá acreditam na possibilidade do local se tratar de uma senzala (Foto: Divulgação)
As habitações tinham poucos recursos e conforto e eram as principais formas de moradia dessas pessoas nos períodos colonial e imperial. A experiência das senzalas existe desde o início da escravidão na América entre os séculos XVI e XIX. De acordo com o estudante Moisés Rocha Silva, outros habitantes do município de Contendas do Sincorá também acreditam na possibilidade do local se tratar de uma senzala.


“Todos os moradores da região corroboram minhas informações. É impressionante como essa notícia ainda não veio a público”, disse o rapaz. “As condições da senzala ainda estão boas, apesar de alguns artefatos terem sido saqueados devido ao abandono. Não posso confirmar a idade, mas é muito antigo. No mínimo uns 180 anos […] A fazenda era fechada, havia um cadeado na porteira, mas atualmente não há cadeados nas ‘cancelas’, o que possibilitou aos ciclistas percorrerem a propriedade. Não há outro casarão com uma senzala na região. Havia outra, mas foi demolida há muito tempo”, salienta Moisés.

Compartilhar Google Plus

Compartilhe e comente nas redes sociais

Compartilhar Whats