Chapada Diamantina tem cidades consumindo água contaminada por agrotóxicos; Embasa diz que está dentro do padrão - Comando Brasil

Chapada Diamantina tem cidades consumindo água contaminada por agrotóxicos; Embasa diz que está dentro do padrão

Pesquisa mostrou que 271 municípios baianos estão com substâncias nas águas

Informações Jornal da Chapada
(Foto: Reprodução)
Conforme publicado pela ONG Repórter Brasil, em parceria com Agência Pública e a organização suíça Public Eye, um coquetel que mistura diferentes agrotóxicos foi encontrado na água de um em cada quatro cidades do Brasil entre 2014 e 2017. Nesse período, as empresas de abastecimento de 1.396 municípios detectaram todos os 27 pesticidas que são obrigados por lei a testar. Desses, 16 são classificados pela Anvisa como extremamente ou altamente tóxicos e 11 estão associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas. A lista publicada tem 271 cidades da Bahia.

Os dados trabalhados são do Ministério da Saúde e foram obtidos e tratados em investigação conjunta com informações que são partes do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), que reúne os resultados de testes feitos pelas empresas de abastecimento. Na Bahia, entre os municípios da Chapada Diamantina na lista da água com agrotóxico estão Utinga, Wagner, Várzea da Roça, Seabra, Ruy Barbosa, Rio de Contas, Palmeiras, Nova Redenção, Morro do Chapéu, Marcionílio Souza, Mairi, Lençóis, Lajedinho, Jussiape, Jacobina, Ituaçu, Itaetê, Itaberaba, Iraquara, Iramaia, Iaçu, Brotas de Macaúbas, Bonito, Boninal, Boa Vista do Tupim, Andaraí e Mucugê.


Número elevado de agrotóxicos em Mucugê
Em Mucugê, foi apurado pelo jornal Correio, que o número elevado de agrotóxicos na água pode ter relação direta com as plantações de batata, morango e tomate na região. Moradores, biólogos, profissionais de saúde do município e até agricultores confirmam o problema e começam a ver os reflexos na população. “Aqui tem fazendas grandes com plantações que consomem muito agrotóxico. Contamina solo, lençol freático, água para consumo residencial. A gente vê muita gente com alteração de hormônio, tireoide, muita gente hipertensa e diabética. É difícil comprovar que isso tem relação com o consumo da água, mas que se usa muito agrotóxico na região, com certeza”, disse um especialista na área de saúde de Mucugê, que preferiu não se identificar.

Biólogo e agricultor do município, Osório Neto diz que a batata, cultura número um da região, junto com as demais, compromete a qualidade da água há muito tempo. “Na realidade, os três municípios vizinhos são contaminados com agrotóxicos: Mucugê, Ibicoara e Barra da Estiva. Os agrotóxicos que se usam em batata têm uma concentração maior de agrotóxicos. Isso há muito tempo está assim. Demorou de estourar”, afirma Osório. O farmacêutico bioquímico responsável pelo sistema de tratamento de Mucugê, Luciano Guedes, questionou a credibilidade da pesquisa e destacou que o procedimento realizado na cidade é o padrão.

“Seguimos rigorosamente todos os critérios estabelecidos. Trabalhamos diuturnamente. Testes de controle interno são feitos a cada duas horas e mensalmente a água é passada por testes, com amostras enviadas ao Lacen e ao laboratório vinculado ao município”, disse Luciano. Para discutir o assunto, a Câmara dos Vereadores da cidade recebeu reunião de membros da prefeitura, vigilância sanitária e entidades do meio ambiente para discutir soluções acerca do resultado obtido pelo estudo.


Salvador na lista
Importante ressaltar que além das cidades em destaque que atingem o número máximo de agrotóxicos, há muitas outras com uma quantidade perigosa de químicos, como por exemplo, Salvador, com 16 pesticidas. O levantamento revela ainda quais químicos estão acima dos níveis permitidos pela legislação do país e pela regulação europeia, que proíbe 21 dos 27 pesticidas encontrados na água dos brasileiros. Mas, ainda que não ultrapassem os limites legais aqui, a preocupação é de que eles juntos atuem como um coquetel nocivo à saúde.
As empresas de abastecimento de 1.396 municípios detectaram todos os 27 pesticidas que são obrigados por lei a testar (Foto: Divulgação)
As empresas de abastecimento de 1.396 municípios detectaram todos os 27 pesticidas que são obrigados por lei a testar (Foto: Divulgação)
Embasa
Em nota, Embasa esclarece que a interpretação dos dados divulgados em matéria jornalística não informa que os níveis detectados nas amostras dos municípios citados estão bem abaixo do valor máximo permitido (VMP) pelo Ministério da Saúde. Vale ressaltar que, no período considerado na investigação (2014-2017), os equipamentos e procedimentos utilizados nas análises da Embasa indicavam com precisão a presença quase nula, ou em concentração inferior ao VMP, de 23 das 27 substâncias de agrotóxicos monitoradas nas análises. Para as outras quatro substâncias, o nível de precisão era mais baixo.


Em 2018, porém, laboratórios de terceiros foram contratados para verificar com mais precisão a presença dessas quatro substâncias e os resultados, já disponíveis no Sisagua, atestam que a água distribuída pela empresa está em conformidade com a Portaria de Consolidação nº5 de 2017, norma que determina os parâmetros de potabilidade da água no Brasil. Sem considerar essa informação, a ONG Repórter Brasil e a Public Eye afirmam que a água de alguns municípios baianos está com presença de agrotóxicos acima do nível permitido.

No entanto, a partir de 2018, foi possível comprovar que todas as 27 substâncias estavam em total conformidade com o exigido pelo Ministério da Saúde. Para acompanhar os aperfeiçoamentos ocorridos, nos últimos anos, no método de controle da qualidade da água, a Embasa tem investido na aquisição de equipamentos de alta precisão para fornecer informações com alto grau de confiabilidade e, assim, contribuir para o fortalecimento da rede de segurança da água para consumo humano existente no país. Jornal da Chapada com informações do Correio 24h, da Embasa e de assessorias.


Compartilhar Google Plus

Compartilhe e comente nas redes sociais

Compartilhar Whats

0 Comentários:

Postar um comentário