Plenário reafirma que auxílio-moradia não deve ser pago a dois cônjuges que morem no mesmo local

Por: Rayssa Brito/ Assessoria de Comunicação Social
Conselho Nacional do Ministério Público

Foto: Sérgio Almeida (Ascom/ CNMP)
Foto: Sérgio Almeida (Ascom/ CNMP)
Em julgamento durante a 23ª Sessão Ordinária do CNMP, no dia 12 de dezembro, o conselheiro Erick Venâncio, acompanhado pela unanimidade do Plenário, confirmou o entendimento de que o auxílio-moradia devido a membros do Ministério Público e do Judiciário não deve ser pago caso o seu cônjuge também receba o mesmo benefício e more no mesmo local.

A regra está prevista na Resolução nº 117 de 2014, que regulamenta também outros aspectos do auxílio-moradia no âmbito do Ministério Púbico. No entendimento da Associação Paraibana do Ministério Público, que iniciou o processo, o CNMP não poderia adicionar por meio de resolução uma exceção à lei que prevê o pagamento do auxílio-moradia.

Porém, prevaleceu o entendimento do relator, o conselheiro Erick Venâncio, que reforçou o caráter indenizatório da verba e afirmou que esta não deve ser entendida como forma indireta de aumento salarial. “Devemos nos ater à finalidade do auxílio-moradia”, confirmou.


A decisão revogou liminar expedida em agosto que autorizava que o Ministério Público do Estado da Paraíba e o Ministério Público do Estado do Mato Grosso efetuassem o pagamento do auxílio-moradia a seus membros que se encontravam na situação descrita.

Processo: Pedido de Providências 1.00661/2017-09
Compartilhar Google Plus

Compartilhar WhatsApp

0 Comentários:

Postar um comentário