Professores assinavam caderneta falsa a pedido da secretaria de educação na Bahia, diz PF

A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira (5) 15 mandados de condução coercitiva, um de busca e apreensão e quatro de medidas cautelares

Informações Correio24horas
Itamari (Foto: Arquivo CORREIO)
Itamari (Foto: Arquivo Correio)

O delegado da Polícia Federal (PF) Rodrigo Kolbe, responsável pelas investigações da Operação Nota Zero, afirmou que professores da rede pública municipal de Itamari confirmaram as fraudes investigadas pelo órgão. Segundo Kolbe, os educadores afirmaram que não ministravam as aulas e assinavam cadernetas falsas a pedido da Secretária de Educação do município.
A PF cumpriu nesta terça-feira (5) mandados de condução coercitiva, busca e apreensão e de medidas cautelares na região sul da Bahia. A Nota Zero investiga desvio de recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) por parte de servidores da prefeitura de Itamari.

Suspeitos de participação no esquema, o prefeito Valter Andrade Junior (PC do B), a primeira-dama do município, o Procurador, além da secretária, foram afastados das funções públicas e proibidos de acessar repartições públicas e municipais de Itamari.
De acordo com a PF, o Ministério da Educação repassou R$ 4.217.603,07 ao município, em 2013, para o custeio das atividades da rede escolar municipal. A verba, por sua vez, foi desviada para outros fins. O delegado Kolbe informou que até o momento não se sabe ao certo quanto deste montante foi desviado e para quais finalidades.
A Secretaria de Educação de Itamari, bem como a prefeitura do município foram procuradas pela equipe do Correio para comentar o caso, no entanto, ninguém foi encontrado. 
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários

0 Comentários:

Postar um comentário