Jovem de 16 anos diz que padrasto é o pai de sua filha de dez meses

Segundo delegada, amostras de sangue foram colhidas para exame de DNA.
Homem foi preso durante a madrugada de quarta (19) e nega o crime.


Informações G1 BA
Um homem foi preso suspeito de abusar sexualmente da enteada de 16 anos, no distrito de Juacema, que fica na cidade Jaguarari, localizada a 403 km de Salvador. O suspeito foi capturado durante a madrugada de quarta-feira (20), depois de ser denunciado ao Conselho Tutelar pela vítima, que afirma que o homem é pai de sua filha de dez meses.
De acordo com a delegada da cidade, Eliza Padilha, a adolescente afirmou em depoimento que o padrasto a abusava desde os nove anos de idade. "Os abusos, segundo ela, ocorriam desde quando a família morava em São Paulo. E a menina afirma que desses abusos foi gerada a criança, que nasceu em janeiro desse ano", destacou a investigadora, em entrevista ao G1.
Segundo a delegada, amostras de sangue já foram colhidas para exame de DNA, que confirmará ou não se o padrasto é o pai. "Ele nega veementemente, e, no depoimento, atribui a ela um comportamento sexual devasso. Só resta saber o resultado [do exame]", conta.
Além da adolescente e do padrasto, a mãe da vítima, suspeita de ser conivente com os abusos, também foi ouvida. "Há possibilidade de haver certa conivência da mãe. No depoimento, ela diz que nada do que a filha diz é verdade. Além disso, a adolescente contou que chegou a relatar à mãe que sofria os abusos, quando eles ainda moravam em São Paulo, mas ela não quis acreditar", disse a delegada.
Ainda conforme a investigadora, por não aceitar a deúncia contra o companheiro, a mãe teria expulsado a filha de casa. "Ela [a adolescente] foi expulsa e está morando na casa do namorado, no povoado de Gameleira", afirmou.

O padrasto teve a prisão preventiva decretada pela Justiça na semana passada. "Ficamos sabendo que ele planejava deixar o município e, por isso, solicitamos a prisão, que ocorreu ontem [quarta-feira]", disse Eliza Padilha. O suspeito foi autuado por estupro de vulnerável e encaminhado ao sistema prisional.
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários

0 Comentários:

Postar um comentário