Quadrilha faturou mais de R$ 1 milhão com venda ilegal de botox

Grupo falsificava receitas e carimbos de médicos famosos em Salvador para adquirir e revender produtos estéticos

Informações Correio24horas
Bando foi preso e material apreendido nos bairros de Jardim Armação, Pituba e Acupe de Brotas, em Salvador (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Bando foi preso e material apreendido nos bairros de Jardim Armação, Pituba e Acupe de Brotas, em Salvador (Foto: Divulgação/Polícia Civil)


Uma quadrilha baiana que atuava em um esquema de compras e vendas ilegais de produtos estéticos lucrou mais de R$ 1 milhão, no período de um ano, em Salvador, de acordo com informações da  Polícia Civil. O grupo, formado por dois homens e três mulheres, utilizava nomes de médicos conhecidos na cidade para adquirir medicamentos na internet. Quatro dos cinco integrantes do bando foram apresentados no Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), na Piedade, na tarde desta segunda-feira (21). 
Entre o material apreendido pela polícia estão 367 ampolas contendo botox de diversas marcas, 405 micro-agulhas, ampolas com anabolizantes, diversos aparelhos para rejuvenescimento, além de carimbos e receituários com o nome de médicos atuantes nas áreas de cirurgia plástica e neurologia da capital baiana.
Para ter acesso aos produtos estéticos, os suspeitos compravam os medicamentos em sites de todo o país com os registros falsos dos médicos e os revendia em Salvador. Estima-se que cada caixa de botox, que vale cerca de R$ 600, era vendida por até R$ 2 mil reais pelo grupo.
Alisson Souza de Araújo, 23 anos, Flávio dos Santos, 33, Flávia Peçanha Martins de Cavalcanti, 33, e Genniff Loise Batista Coutinho, 22, foram presos nos bairros de Jardim Armação, Pituba e Acupe de Brotas, na última sexta-feira (18). “O flagrante foi feito quando dois deles estavam com uma receita falsa perto de uma farmácia de manipulação, em Armação”, disse a delegada responsável pelo caso, Glória Izabel Ramos. 
Só Maria Ledaiane Andrade Cruz, 27, outra envolvida no esquema, foi liberada pela Justiça, por estar amamentando seu bebê de quatro meses.
Conforme a polícia, enquanto Flávio e Alisson se passavam pelos médicos, na internet, Flávia, que é formada em Fisioterapia, era responsável pelas vendas dos produtos.
Já Genniff, que segundo a polícia é garota de programa, tinha a missão de receber os produtos em casa. A polícia apreendeu parte dos produtos nas residências de cada membro da quadrilha. Depois da prisão, segundo a delegada, a maioria dos envolvidos no esquema confessou os crimes e revelou que mudava de endereço para dificultar as investigações.
Além dos receituários falsos, a quadrilha também utilizava os nomes dos médicos na hora da compra. "Eles colocavam o nome do médico, mas o número era de um cartão clonado ou falso. Quando a operadora fazia a cobrança pela falta do pagamento, eles entravam em contato com o médico para cobrar, e o médico, por sua vez, dizia que não fez a compra. Quando o médico nos procurou, começamos as investigações", explicou a delegada.
Casa alugada para investigar
A Polícia Civil ficou sabendo dos crimes há seis meses, depois da denúncia de um desses médicos que teve o registro usado pela quadrilha. De acordo com a delegada, a investigação locou uma casa, na Praia de Armação, para ficar mais perto dos suspeitos. 
O delegado Adailton Adan também participou das investigações. “A gente observou os ambientes que eles frequentavam e as casas onde viviam”, disse. Conforme Adan, o grupo mudou o padrão de vida depois dos golpes. “Agora, os carros deles são de médio e alto porte”, completou. 
A próxima etapa da polícia é investigar se pessoas que compraram os produtos foram enganadas pelos criminosos ou se já sabiam da ilegalidade da venda. “Agora, vai começar a investigação para chegar nas pessoas que adquiriram esses produtos, mas o braço operacional da quadrilha já está preso”, afirmou o delegado. Adan disse que não descarta a possibilidade do envolvimento de outras pessoas nos crimes.
Todos integrantes da quadrilha estão à disposição da Justiça e vão responder por organização criminosa. 
Fiscalização de receitas
Um dos médicos vítima da quadrilha, que preferiu não se identificar, foi procurado pelo Correio e ficou surpreso ao saber da atuação da quadrilha. “Eu estou sabendo disso agora. (...) Nunca comprei esses produtos pela internet”, disse, surpreso.
Também ao Correio, o presidente da Associação Baiana de Medicina (ABM), Robson Moura, falou sobre a fiscalização de receituários e carimbos de médicos no estado. “Infelizmente, o uso de carimbo, que seria uma proteção pro médico, hoje qualquer pessoa pode fazer um, porque não existe fiscalização”, apontou.
Segundo ele, recentemente uma médica foi vítima do mesmo golpe. "Tem pouco tempo que aconteceu isso com uma colega no interior”, citou. 
O vice-presidente da Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremeb), Julio Braga, alertou sobre o perigo do uso indevido das substâncias vendidas pela quadrilha. “Esses medicamentos têm diversos usos na medicina, mas eles costumam ser utilizados para fins estéticos. As pessoas que utilizam esses produtos sem acompanhamento de um profissional qualificado podem ter problemas estéticos, paralisias e lesões, problemas de pressão e até infarto”, explicou. 
A venda de um dos produtos comprados pelos suspeitos, a toxina botulínica, só pode ser feita diretamente aos profissionais de Medicina ou Odontologia, com uso do registro profissional. 
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários