'Ninguém acreditava em Titanic', revela diretor do filme após 20 anos

Segundo James Cameron, todo mundo pensou que ia perder dinheiro: 'empresários da Paramount agiam como se eles tivessem sido diagnosticados com câncer terminal'

Informações Correio24horas
(Foto: Reprodução)


Em novembro, o filme Titanic, de James Cameron, irá completar 20 anos desde a sua estreia no Tokyo International Film Festival. Considerado o segundo maior sucesso de bilheteria dos cinemas mundialmente - o primeiro é Avatar (2009), também de Cameron - o longa foi recusado por estúdios, produtores e era alvo de críticas pesadas da imprensa americana bem antes de seu lançamento.
Quem revelou os bastidores da produção do filme foi o próprio Cameron em uma carta escrita para o livro Leading Lady: Sherry Lansing and the Making of a Hollywood Groundbreaker, que conta a história da produtora executiva Sherry Lansing, da Paramount - segundo ele, a única que comprou a ideia de Titanic e apoiou o diretor em suas decisões. 
Cameron conta no texto que os estúdios da FOX decidiram desde o começo que precisariam dividir os custos do filme com outra produtora. A previsão inicial era de US$ 100 milhões, mas o valor acabou dobrando até o fim das filmagens. Era julho de 1996, os estúdios estavam construídos e prontos para iniciarem a filmagem, mas a FOX ainda não tinha conseguido um sócio. A Universel, então, recusou o projeto. A única que demonstrou interesse foi Sherry Lansing, representante da Paramount. Porém, ela estava praticamente sozinha. As informações são do UOL.
'Câncer terminal' que virou a segunda melhor bilheteria do cinema
"Sherry sempre amou o filme, mas os empresários da Paramount agiam como se eles tivessem sido diagnosticados com câncer terminal", conta o diretor. "Todo mundo pensou que ia perder dinheiro e todos os esforços eram para que a 'hemorragia' não fosse fatal. Ninguém estava jogando pelo lado positivo, inclusive eu, porque ninguém poderia imaginar o que viria depois", diz. 
O filme estava agendado para estrear em julho de 1997, mas acabou atrasando por conta dos efeitos visuais e toda parte técnica que se mostrou mais difícil e lenta do que o diretor imaginava. "A realidade de terminar o filme no nível necessário de qualidade visual estava se tornando quase impossível. O filme era muito longo e os efeitos visuais eram muito inéditos", explica. "Cortar o filme estava o tornando mais demorado. Na sala de corte, o filme ficava poucos segundos mais curto por dia. Era como cortar um diamante", lembra.
Foi neste momento que a imprensa americana começou a criticar o filme de Cameron, criando uma expectativa negativa sobre seu lançamento. As críticas giravam em torno de seu custo épico, o atraso da estreia e a segurança no set de filmagem. Neste momento, o diretor disse que se inspirou na arte-marcial aikido e decidiu usar 'a força do oponente para derrubá-lo'. Cameron jogou a estreia de Titanic em território nacional para dezembro, mas antes decidiu lançá-lo no Japão e em Londres, onde a imprensa local aplaudiu o longa e fez grandes elogios - a estratégia incluiu uma exibição particular do filme para o Príncipe Charles, no Reino Unido. Assim, a imprensa americana viu que precisava ver o projeto com outros olhos. 
Sherry, a única que apoiava o filme, ficou emocionada quando assistiu ao longa pela primeira vez e elogiou a química entre Jack e Rose, personagens de Leronardo DiCaprio e Kate Winslet. E o resultado disso todo mundo conhece:Titanic estreou nos Estados Unidos no dia 21 de dezembro, em primeiro lugar, onde ficou por 16 semanas, estabelecendo um recorde que nunca foi superado. 
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários