Documentário Pitanga tem pré-lançamento na Feira de São Joaquim

Trailer do filme foi exibido em Água de Meninos, com presença de Antonio Pitanga e dos diretores Camila Pitanga e Beto Brant

Informações Correio24horas
Cena de Barravento, de Glauber Rocha, e com Pitanga no elenco, é projetada num saveiro  (Foto: Betto Jr.)
Cena de Barravento, de Glauber Rocha, e com Pitanga no elenco, é projetada num saveiro  (Foto: Betto Jr.)

Ator baiano Antonio Pitanga, 77 anos, retornou nesta terça-feira (4) à Feira de São Joaquim, onde participou, em 1961, do filme A Grande Feira, de Roberto Pires. Desta vez, no entanto, ele não foi para gravar, mas para participar de um evento que integra o lançamento do documentário Pitanga, que entra em cartaz nesta quinta-feira (6). O longa-metragem dirigido por Beto Brant (O Invasor/2002) e por Camila Pitanga, filha do ator, conta a trajetória artística e pessoal de Antonio Pitanga, que é também um símbolo da luta contra o preconceito racial no Brasil.

Na Feira de São Joaquim, ontem, foi projetado, em um saveiro, o trailer do documentário, além de dois curtas-metragens de diretoras baianas: O Velho Rei, de Ceci Alves, e A Feira - Patrimônio Imaterial, de Fabíola Aquino. A Feira de São Joaquim trouxe lembranças a Pitanga: "Eu fui interno do colégio de São Joaquim (perto da Feira) e, quando menino, eu brincava na rampa do mercado, onde chegavam as mercadorias do Recôncavo. Na época, foi uma violência para nós quando a rampa foi transferida. Aqui, também, fiz A Grande Feira, um filme importantíssimo. E, depois, em 1963, fiz Sol Sobre a Lama".
A Feira de São Joaquim foi cenário também do documentário Pitanga: ali, no filme, o ator conversa com Álvaro Queirós, que produziu Sol Sobre a Lama, longa que foi uma espécie de "resposta" dos feirantes ao filme de Roberto Pires. “Os feirantes discordavam da versão de Pires e resolveram apresentar sua própria versão”, diz Pitanga. Camila disse que o filme é mais que um ato de gratidão ao pai: “É principalmente o reconhecimento de um lugar que ele ocupa na cultura brasileira. Se não fizermos esses registros, personagens da nossa história, como ele, serão esquecidos. O filme o põe no lugar da realeza que ele exerce quando participa do Cinema Novo e dos projetos sociais que ele desenvolve”. Hoje, Pitanga será exibido no Espaço Itaú Glauber Rocha, às 20h, em sessão exclusiva para convidados.
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários