Polícia da Colômbia confirma 76 mortos em queda de avião da Chapecoense

A autoridade local informou que seis pessoas foram resgatadas, mas uma delas morreu a caminho da emergência

Informações bahia.ba
Foto: Reprodução/ Twitter (@TheACMario)

A Polícia de Antioquia, na Colômbia, onde caiu na madrugada desta terça-feira (29) o avião que transportava a equipe da Chapecoense e jornalistas que cobririam a final da Copa Sul-Americana, confirmou que 76 pessoas morreram no desastre.
Ainda de acordo com a autoridade local, seis pessoas foram resgatadas, mas uma morreu a caminho do hospital. Mais tarde, o zagueiro Neto foi encontrado na fuselagem da aeronave e também foi socorrido para uma unidade médica.
Entre os sobreviventes, o lateral Alan Ruschel e o goleiro Follmann foram socorridos e levados para hospitais da região; o jornalista Rafael Henzel e uma comissária de voo, Jimena Suárez, completam a lista.
O goleiro Danilo, responsável pela defesa considerada fundamental para a classificação da Chape à final da Sul-Americana, também foi socorrido com vida, mas morreu no hospital após receber os primeiros cuidados.

Seis ex-atletas, entre técnicos e jogadores, que passaram por Bahia e Vitória estavam no avião. O técnico Caio Júnior, os meias Cleber Santana e Arthur Maia, além do volante Ananias, o zagueiro Thiego e um dos maiores ídolos do Leão, Mário Sérgio, estão entre os mortos.
O presidente Michel Temer decretou luto oficial de três dias em referência aos mortos na catástrofe.
Por causa do acidente, a Confederação Brasileira de Futebol  (CBF) adiou a final da Copa do Brasil, entre Grêmio e Atlético Mineiro, inicialmente prevista para esta quarta-feira (30).
De acordo com o jornalista esportivo Galvão Bueno, da Rede Globo, dirigentes do Atlético Nacional, time colombiano que receberia a Chapecoense para o primeiro jogo da final do torneio continental, sugeriram à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), que o título da competição seja oferecido à equipe Catarinense após o desastre aéreo.
Segundo informações dos profissionais da torre de controle do aeroporto José María Córdova, em Medellín, o piloto informou uma possível pane elétrica no avião, o que levou o comandante a descartar parte do combustível antes de iniciar o procedimento de pouso de emergência para evitar uma explosão no contato com o solo.
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários