Com incêndios, municípios da Chapada temem perder visitantes na alta estação

Em Andaraí, a constatação da prefeitura é que os pacotes estão sendo postergados

Informações Correio24horas
A segunda-feira foi de boas notícias para a Chapada Diamantina. Foram liberadas três  trilhas que estavam interditadas por causa do incêndio que atinge a região - as que dão acesso às cachoeiras do Buracão, da Fumacinha e do Véu de Noiva, todas no município de Ibicoara. A notícia é um alento para os municípios da Chapada, que sofrem com a redução do movimento de turistas desde que o fogo passou a assolar o Parque Nacional.
No município de Mucugê, ponto de saída dos passeios para diversas regiões da Chapada, a atividade sofreu queda estimada em 50%. “Temos hotéis que nesta época do ano já estariam completamente reservados (para o Réveillon) e hoje estão com menos da metade da ocupação”, constata a secretária de Turismo do município, Aline Machado.
Incêndios continuam em pontos da Chapada (Foto: Brigada de Resgate Ambiental de Lençóis/ BRAL)
Incêndios continuam em pontos da Chapada (Foto: Brigada de Resgate Ambiental de Lençóis/ BRAL)

“Quem entra em contato conosco acha que o fogo está dentro da cidade, mas os nossos atrativos estão intactos e abertos à visitação”, completa ela, ressaltando que  o impacto no turismo foi sentido em toda a cadeia da atividade, de guias a hotéis, passando pelas agências de viagens.
Em Lençóis, principal cidade da região, apesar da visitação continuar aberta em todos os atrativos turísticos, a secretaria  de turismo informou que está recebendo muitas ligações de visitantes assustados com as notícias de incêndio.
Em Andaraí, a constatação da prefeitura é que os pacotes estão sendo postergados. “O boom turístico que é comum nesta época do ano ainda não aconteceu”, afirmou o secretário municipal de meio ambiente e turismo, Dário Magalhães.

Trilhas interditadas
A trilha que dá acesso à Cachoeira da Fumaça, no Vale do Capão, no município de Palmeiras, continua interditada.  Segundo informações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o fogo está controlado, mas há sempre casos de reignição do fogo - ou seja, o fogo é extinto, mas volta.
Seguem interditadas também as trilhas Capão-Lençóis, na região do Rio Ribeirão, na divisa entre Lençóis e Palmeiras, e a do Lapão, na região da gruta do Lapão, em Lençóis. O foco de incêndio da região do Rio Ribeirão é preocupante, segundo Cezar Gonçalves, analista ambiental do Parque Nacional da Chapada.
No mês de novembro, os incêndios  atingiram 7.909 hectares do Parque Nacional da Chapada Diamantina, o que equivale a 5,20% da área total da reserva (vide mapa). A estimativa do  ICMBio foi realizada  a partir da análise de imagens dos satélites Aqua e Terra e reconhecimentos aéreos e terrestres.
Fumaça do incêndio no Parque Nacional da Chapada Diamantina é vista a partir da cidade de Lençóis (Foto: Reprodução)
Fumaça do incêndio no Parque Nacional da Chapada Diamantina é vista a partir da cidade de Lençóis (Foto: Reprodução)

Ações de combate 
Na luta contra o incêndio na região, o governo estadual, por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto  do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), contratou mais dois helicópteros para ser usados no combate aos focos que estão em locais de difícil acesso. Foram investidos ainda R$ 500 mil na compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e de combate ao fogo, como luvas, máscaras, abafadores, mochilas costais, facões, foices, pás, enxadas e fardamento, material que foi entregue aos brigadistas no último domingo.
Neste mesmo dia, a  Justiça Federal emitiu uma decisão  liminar que determina  que os governos do estado da Bahia e da União devem garantir o fornecimento de material e pessoal para o combate aos incêndios que atingem a Chapada Diamantina.
Na Bahia, a notificação foi  recebida pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) na manhã de ontem, que solicitou à Sema o levantamento das ações que já estão sendo executadas pelo governo  para subsidiar a prestação de informações. Atualmente, a operação coordenada pelo programa Bahia Sem Fogo conta com 60 bombeiros militares, 40 brigadistas, 8 peritos, quatro veículos tracionados (4×4), cinco helicópteros  e seis aviões modelo air tractors (capazes de transportar até 3,8 mil litros d’água).

O governo estadual anunciou ainda que 47 homens da Defesa Civil Nacional  devem chegar amanhã à região. O secretário estadual do Meio Ambiente, Eugênio Spengler, reforçou a importância do trabalho conjunto na atuação contra o incêndio.
“É importante a parceria de todos para que juntos possamos ter maior efetividade nas ações de combate. Toda a estrutura  está sendo utilizada para fortalecer esse trabalho. Atuamos conjuntamente com outros órgãos e instituições”, afirmou Spengler, que ressaltou a atuação realizada pelo governo federal na região.
De acordo com as defensorias públicas do estado e da União, que impetraram Ação Civil Pública, o juiz federal Leonardo Tocchetto Pauperio determinou a disponibilização de cinco veículos; 400 kits de combate a incêndio; apoio aéreo de pelo menos quatro helicópteros;  30 brigadistas; além da manutenção das medidas até o fim da operação de rescaldo. As medidas deverão ser cumpridas até as 8h de amanhã (16/12), sob pena de aplicação de  multa diária no valor de R$ 10 mil.
Atrações intactas 
Segundo a Secretaria de Turismo da Bahia, os principais atrativos turísticos da Chapada  não foram afetados pelo incêndio e os turistas não precisam cancelar reservas. “Além das diversas trilhas, o turista que for à Chapada pode conferir atrações como o  Poço Encantado e o  Poço Azul, exemplos de áreas preservadas”, destaca o órgão. 
Compartilhar Google Plus

Caixa de comentários

0 Comentários:

Postar um comentário